segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Mara!

Começo a sentir que o "Me Likes It" revela toda uma tendência para a parcialidade. Uma tendência esbranquiçada. E feminina.
É verdade meus queridos, a Muito Pipi, como translúcida que é, adora uma boa porcelana corporal. Em particular quando o material em causa é da qualidade do da imagem abaixo.
Prometo tentar alargar os meus horizontes às morenas do planeta e, quiçá, aos meninos também. Mas antes disso, deixem-me por favor partilhar a pele (qual assassina rapinadora de orgãos) da actriz Rooney Mara.
Delícia! E fofuras, obviamente há maquiagem nesta pele, mas eu posso dizer que já vi, com os olhos que a terra irá eventualmente comer (demasiado?), esta cútis desnudada e o poder mantém-se.
Rooney Mara: simplesmente mara (Ah, piaduza palerma)!

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Stickada colorida

Bem sei que este blog tem andado com um ritmo um tanto ao quanto tresloucado. Peço infinito perdão, meus queridos. A verdade é que, quando o frio ataca, a Muito Pipi fica toda amarrotada. Não é fácil! É tanto desafio na área da beleza que uma pessoa nem sabe para onde se virar. É corpo que treme. É rosto que seca. É juba em vez de cabelo. Momentos agrestes são estes que se vivem por este corpo.
Mantendo uma tradição à qual gostaria de chamar "A arte de falar do que já foi falado" (e que mais não é do que um dom para experimentar produtos com anos de existência nas lojas), o post de hoje será sobre um produto que já tem alguma idade. Assim é a Muito Pipi, uma blogger que vive no passado. No fundo uma saudosista. Uma nostálgica.
Durante anos houve uma marca claramente renegada por mim, de seu nome Clinique (calma fãs de carteirinha, guardai vossas pedras!). E assim foi, durante anos e anos. E anos. Até ter olhado para uns sticks labiais encantadores, que mais do que em batons, faziam-me lembrar lápis de cera topo de gama. Afinal, que lápis se podem orgulhar de ter uma tampinha? Ainda mais prateada?
E é por isso que hoje, numa altura em que batons de inspiração lapisál (lapizál?) brotam que nem cogumelos e em que a própria Clinique decidiu intensificar e apalpebrar os seus espécimes, venho partilhar a minha opinião acerca dos famosos Chubby. Como descrever estes amiguinhos corpulentos? São divertidos. Apetitosos. Charmosos. Amorosos!
Fofuras que ainda não atiraram a vossa boca a estes amigos pintadores, ide sem medo! As cores são super delicadas. Os sticks são suavemente pigmentados. O material desliza agradavelmente pelos lábios. Posto isto: sou fã!
Prometo agora experimentar a versão intensa para lábios e a sombra anafada para olhos. Para quando a partilha de opinião? Não sei, não sabe ninguém. Olhando para o historial da pessoa Muito Pipi que sou eu, claramente não será antes de 2015.
Pintar os lábios com um lápis de cera com toques de prateado? Sempre!

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Ohhhhhhhhhhhhhhhhhhh...

Até a neve cintila. É a magia da Disney versão embelezadora.
Perante isto resta-me suspirar... Ohhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh (e pedir perdão por este amor que roça a loucura)!

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Por um algodão sem demónios!

Fofuras do mundo, neste que é um dia de dois posts (completo desvario!) cá venho eu, das profunduras do frio que se faz sentir, partilhar convosco informações do mais importante que há!
Queridos meus, vocês que usam algodão, não só para cobrir o corpo como também para limpar o rosto, conhecem certamente os dramas que povoam esta relação.
Há por aí um demónio. É verdade! Um ser claramente das trevas que, com a sua varinha de maldição, transforma fofos pedacinhos de algodão em infernais chupadores de produto, capazes de largar, sem pudor, fiapos pela cara de uma pessoa. Que outra razão poderia causar desmembramentos de material em pleno acto para o qual foi concebido? Não sei! Nada mais faz sentido para mim. 
Assim sendo, voto na existência de um pequenino monstro (desde já as minhas desculpas à criatura à direita caso não seja ela a bicheza maléfica) que vem dentro de muitas embalagens, qual praga para a qual ainda não foi encontrada solução. Para fugir ao drama, resta a uma pessoa percorrer os algodões do mercado, na esperança de encontrar fibras imunes a coisas do mal.
Perdoai amantes apaixonadas do algodão "quanto mais barato melhor", mas eu não consigo. Fibra que me rouba metade do desmaquilhante vai directamente para a minha lista negra. E mais: esparramamentos pelas pestanas ou corridas rumo ao interior da boca não são permitidos cá em casa! Da mesma forma, não há espaço na minha vida para pedaços espalhados pela cara! Já bastam as pilosidades que estão atarrachadas a uma pessoa. Ninguém quer barbarizar por aí com fragmentos de algodão colados às bochechas!
Depois de muitos anos de luta infrutífera, o meu árduo trabalho em nome da pesquisa algodoeira foi compensado. Encontrei dois amores! Que sendo algo semelhantes, claramente não são iguais. Um é mais para o caro, outro mais para o barato. Mas não sei de qual gosto mais (Obrigada pela inspiração Marco Paulo).
Um dos meus queridinhos é da Shiseido e mostra-se às pessoas em forma de quadradões de algodão super suave e farfalhudo. Por não absorverem quantidades loucas de produto permitem que uma pessoa gaste menos desmaquilhante (ou o que quer que se lhes atire para cima), o que é sempre um motivo de alegria. Não tão entusiasmante pode ser o preço, que se localiza entre 7 e 11 euros (80g), dependendo do local de compra.
Antes que me atirem pedras (depois do que aconteceu à Victoria Ceridono ao falar do algodão da Chanel, uma pessoa teme pela sua vida) uma opção mais baratinha: Demak Up Duo +. Estes grandões são acessíveis (aproximadamente 2 euros pela mesma quantidade dos da Shiseido) e circulam pelas grandes superfícies quais borboletas voadoras. O que há de especial neles? São macios. Não se desagregam. Não largam pedacinhos. Não são sugadores desenfreados de líquidos. E depois... são grandes.
Ohhhh, eu adoro um algodão grande. E livre de criaturas sinistras!

Once you go black...

Man Love is back! Yessssssssssssssss! Desta vez com uma inovadora viagem ao interior da boca. Primeira (e única) paragem: Dentes.
Não temam. Não vou aproveitar este momento histórico para indicar as melhores técnicas de lavagem, nem tão pouco a minha pasta dentífrica favorita. Não! Hoje vamos levar o Man Love a todo um outro nível.
A Muito Pipi adora (loucamente) escovas de dentes eléctricas. Talvez não faça muito sentido para alguns de vós, mas para mim poucas coisas são tão refrescantes como uma boa, rotativa e vibratória escovadela aos dentes. É um poder sem fim! Um esfreganço rumo ao infinito. Uma luz ao fundo do túnel que é o aparelho digestivo.
Vá, escovas eléctricas não são propriamente uma novidade. Bem sei meus queridos.
Mas e que tal uma escova preta (munida de um maravilhoso copinho carregador)?
Philips Sonicare Diamond Clean HX9352/04 (Ui! Cansaço!) é o objecto de desejo do momento. Sim. A Muito Pipi é uma menina. Mas a menina gosta de preto! E claramente não é capaz de negar abrigo a um objecto escovacional tão cutxi cutxi como este, com as suas milhentas promessas, entre as quais prazerosas massagens às gengivas. Ahhhhh! E mais... para além do copinho maravilha para onde se pode atirar a pretinha linda, há também uma bolsinha com carregador USB. Ohhhhhhh, eterna fofura!
Para que não vos escapem quaisquer pormenores, deixo-vos com o vídeo da marca. Um alerta: fala-se uma língua que eu desconheço por completo. Cheira-me a alemão, mas não posso jurar. Por esta razão, terão de (com alguma tristeza, bem sei) aceitar a ausência de tradução ao estilo Muito Pipi. Ainda assim... há imagens. Quem precisa de compreender o que está a ser dito? Claramente a linguagem verbal é sobrevalorizada.
Eleganten? Com certeza! Inovativen? Oh yes! 5 Putzeinstellungen? Uau!
Braço no ar quem sorri ao escovar os dentes? Ninguém?! Claramente é porque não têm esta fofura em casa! A escova, claro!

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Redermic R olhos? Sim sim sim!!!!

Novidades escaldantes para os fãs do Redermic R da Roche Posay. Oh yes! Preparem as vossas carteiras meus queridos, a versão para olhos chegou!
Bem, eu espero que esta seja uma notícia em primeira mão (ou pelo menos nos 100 primeiros blogs). Dado o meu longo historial de atraso no contacto com inovações embelezadoras, a verdade é que este pode bem ser um produto com largos anos de vida em Portugal. Ainda assim, e tendo em conta que o creminho ainda não figura no site português da marca, acho que é seguro falar em novidade. Aliás, sou até pessoa para dizer que isto é uma surpresa tal que nem os representantes da marca em portugal sabem. Ahhhhh, mas eu sei! Wiiiiiiiii! E sei que já está à venda nas farmácias. Wiiiiiiiiiiii! E também sei que custa à volta de 25 euros (15ml). Wiiiiiiiiiii (Wiiii para o facto de saber, não para o preço!)!!!!

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Pela saúde do cabelo de uma pessoa (em meio aquático)

A Muito Pipi, uma cabeluda encaracolada da vida, sabe quão difícil é manter tudo no lugar! São cabelos que voam treslocados rumo ao infinito, caracóis que mais parecem pequenos chifres, pontas secas que ofendem tudo onde tocam... é uma realidade difícil esta, a de um mundo de descabelamento.
Se tudo isto já é coisa para chocar uma pessoa, então imagine-se em que estado pode um cabelo ficar depois contactar in loco (e em louco mesmo!) com o mundo da praia e da piscina. 
Por terras portuguesas, com o frio que paira, o mergulho no mar vai sendo cada vez mais difícil. Mas uma grande ameaça mantem-se: piscinas cheias de cloro a dar a dar! Meus queridos, isto não é material para brincadeira. Uma pessoa tem de proteger o que tem. E se há coisa que a Muito Pipi tem é cabelo. 
Posto isto, cá vão as dicas, para usar em conjunto ou em separadamente (é à escolha do freguês) o que importa é não dar espaço ao diablo para que teça tramas de horror com as vossas madeixas.
1. Apanhar é que está a dar - Há momentos em que (não há como negar) desce em nós o espírito sereia, num grito pelo nadanço na campanhia de cabelos esvoaçantes. Tudo bem!
Que a Ariel esteja connosco! Mas meus queridos, não nos podemos esquecer da realidade: ela é uma princesa da Disney. O cabelo dela não é como os nossos. Bem, pelo menos não é como o meu. Rebolar-me na água com cabelo livre termina sempre da mesma forma: "Monhenhos de cavelos!" 
2. Criando camadas - Há no mercado produtos específicos para cabelo que vai ser jogado ao cloro. Valem muito a pena! Mas na dúvida, posso dizer que uma coisa que funcionou para mim no estrafego que é o Verão, foi uma boa oleadela. Toda a gente já sabe (senão veja-se aqui, aqui e aqui) que gosto por demais de coisas bem oleosas. É uma festa de alegria ao espalhar. A pessoa dá no cabelo e trata logo das mãos também. Uma maravilha. No caso dos mergulhos, o óleo pode ajudar a afastar cloros do mal das madeixas.
3. Vai para a água? Molha primeiro - Diz quem sabe (e que não sou eu concerteza) que dar uma molhadela no cabelo antes de entrar na piscina é bom. Ao que parece, se os fios estiverem cheios de água, a probabilidade de entrarem numa relação sequiosa com o cloro diminui.
4. Duplo toucamento - Se vivem num alvoroço com toucas de pano porque deixam entrar água qual barco roto e se, por outro lado, sentem todo um puxa puxa com toucas de silicone, não chorem mais, a Muito Pipi tráz a solução. Enfiem primeiro a de pano e a seguir a de silicone. Sem puxões e sem águas. Sem dor? Mais ou menos. Ainda sobra a tristeza de ter de usar touca.
5. Lavar depois - O cloro chegou à fala com os vossos cabelos? Então pelo menos uma passadela por água é importante fofuras. Não queremos prolongar esse tipo de intimidade! Xô Satanás!
6. Super hidratar - Dar forte na hidratação é sempre bom. Faça chuva, faça sol. Venha frio ou calor. No meu caso, sou fã de trocar condicionadores por máscaras hidratantes. Particularmente em dias de piscina. Não vá alguma coisa invisivelmente horrenda ter-se atrelado ao meu cabelo.
7. Calma! - Fofuras, é só cabelo. Não vai desfazer-se magicamente em contacto com a água. Quer dizer, digo eu (pessoas vítimas de despedaçamentos capilares, partilhem a vossa história de terror, por favor)!

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Combinação (des)protectora?

Meninos, meus fofos, com um dia de atraso (bem sei! Já me penitenciei com mil chibatadas!) a Muito Pipi vem hoje trazer-vos uma informação escaldante. Assustadora. Apavorante!
Se há coisa horrível no belo mundo da cosmética é uma pessoa pensar que está protegida e não estar. Sim sim. Um ser humano encremalha-se todo, dia após dia, na esperança de permitir que a pele viva na alegria. E ela vive? Não! No silêncio da luz solar a pobre coitada chora. Oh oh! E porquê? Porque não estava protegida coisa nenhuma! Estava era toda desnudada (Na luta contra os danos solares, entenda-se).
Mas o que é isto? Anda uma pessoa a comprar produtada da boa para descobrir que há interacções do demónio ao virar da esquina, como que a querer saltar de faca em punho para a nossa pele e marcá-la para sempre (Muito dramático?).
Ora vejam só a informação à qual eu tive acesso: parece que há dois filtros solares que, quando conjugados, não protegem uma pessoa como seria suposto! Ficam loucos e anulam-se! Oh nãooooooooooooooooooooo! Horror dos horrores! Drama dos dramas. Como ousam rapinar a protecção de uma pessoa desta forma vil e cruel? Como? Como?
Bem, não sei. Mas meus queridos que se querem proteger, Ethylhexylmethoxycinnamate e Butyl Methoxydibenzoylmethane juntos? No no no! Afastem de vós essa combinação duvidosa.
Perdoem pelos nomes, mas são estas as designações que encontrarão na lista de ingredientes dos vossos produtos. Falando de forma mais simples, o primeiro é também carinhosamente tratado por Octinoxate e o segundo por Avobenzone. 
Mas como pode surgir a interacção? Quando por cima do hidratante com FPS, colocamos um protector solar (seja ele em creme ou em pó). Ou, na loucura total, quando os dois ingredientes estão bem juntinhos num mesmo produto.
E perguntam vocês: "Mas se esses dois não se relacionam bem, é possível encontrá-los juntos num só artigo?" É sim! Se há alguma forma de os juntar numa mesma fórmula, mantendo-os estáveis e capazes de fazer aquilo que é suposto, a Muito Pipi não sabe. Mas, por via das dúvidas, nesta que é a minha pele, acabaram-se as misturadas. Octinoxate e Avobenzone estão eternamente de castigo. Se não se sabem comportar adequadamente, então vai cada um para seu lado!
A título de exemplo, posso dizer que La Roche Posay tende a usar Avobenzone nos seus produtos com protecção solar. Por isso fiquem de olho, fãs de fluidos extremos como eu. Cuidado! Muito cuidado!
(Como nota final, acho importante chamar a atenção para a imagem. Claramente o menino da foto acima andou a meter-se em amálgamas! Pobre vítima!)

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Argila e Pepino... em 3 minutos!

Fofuras, sejam bem-vindos ao post de hoje: uma diquinha fofinha, rapidinha e baratinha!
Meus queridos, se há local de perdição, cheio de recantos perfumadamente demoníacos, de desejáveis miniaturas e de produtos inesperadamente bons, esse local chama-se Boots! A loucura consumista persegue uma pessoa, é verdade. Mas para mim, a Boots tem qualquer coisa de diferente. 
Na última viagem à capital inglesa tive o prazer de descobrir a máscara 3-minute Clay and Cucumber (Argila e Pepino) e devo dizer que só tenho um arrependimento: não me ter abastecido à séria!
A ideia desta verdinha é desentupir e limpar poros, qual produto para a canalização doméstica. E funciona! Acho até que pode ser uma grande amiga para o pessoal de pele sensível.
Nesta vida Muito Pipi que é a minha, já experimentei muita coisa. E sou testemunha da existência de máscaras purificantes tão mas tão agrestes, que uma pessoa precisa de ter muita coragem para encarar de frente o momento da remoção. Ah pois! Há por aí umas e outras que secam de forma firme, tão mas tão firme, que parece que vão levar com elas não só a sujidade mas também a pele!
Se gostam de todo um endurecimento e sensação de repuxanço, a 3-minute talvez não vos faça felizes. Se, como eu, apreciam a suavidade de um momento zen, se gostam de se barrar com produtos cheirosos e de ver impurezas serem cordialmente retiradas do vossos rosto, então atirem-se ao lamaçal verde que é esta máscara.
Falando de preços: cada 50 ml devem rondar os 2 euros. Na verdade, confesso que não sei bem. Uma pessoa fica tão emocionada perante prateleiras cheias de produtos diferentes, que atira de um tudo para o cestinho de compras sem focar e assimilar bem o preço.
Repetindo a frase de sempre: "Boots, o que há para não gostar?"

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Colecção de Natal da Dior... Oh Inverno Dourado!

Depois da dor e do receio causados pela chuva de estrelas que teimou em cobrir inesperadamente as sombras da (amada) Dior, tudo voltou ao seu lugar. Fora dor e o receio, olá adoração e desejo.
Já decidi: neste Dezembro que se aproxima tudo o que eu quero para ser feliz é poder mergulhar nos pós, nos cremes e nos líquidos que fazem parte da maravilhosa colecção de Natal da minha francesa preferida. Se tudo correr como eu espero, a minha família que se prepare: vou soltar a franga maquiadora e abalar o aniversário do menino Jesus com uma cintilância inesperada. Afinal, como pode uma pessoa ignorar embalagens arrebatadoras, cores sedutoras e novidades escaldantes? Ohhhhhh, loucura inesperadamente boa.
Olhando as mais recentes imagens do Golden Winter Diorano descobri o objecto máximo de desejo. Vernizes! Confessei outrora a minha dedicação a uma marca (aqui), mas meus queridos, não há devoção que seja capaz de me afastar do material unhacal desta coleccção. Há lá coisa mais delicada do que o duo de vernizes natalícios?
Não é ouro sobre azul, não não! É pérola brilhante sobre unha dourada! Ohhhhhhhhhh! Verdade seja dita que acredito que, ao fim de pouco tempo, se inicie todo um larganço de mini pérolas pelo mundo. Mas o que há de errado nisso? É charme, meus fofos. Largar bolinhas brilhantes pelo mundo é charme!
E os batons? Ohhhhhhhhhhhhh! Ohhhh! Ohhh! Ohhhh! Infinitos ohhhhs!
A Portugal confesso que não sei quando chegarão estas fofuras douradas. Mas não temam! A Muito Pipi tem boas notícias, em particular para os viajantes (físicos e virtuais): a tentação inglesa Selfridges já tem estes truques todos na manga. 
Ohhhhhh (eu disse que seriam infinitos)... quando chegarão até mim estas delícias embelezadoras? 

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Me Likes it em português

E eis que, depois de Rhatha Phongam (é verdade...), Olivia Palermo e Ginnifer Goodwin, a categoria "Me Likes It" dedica-se hoje, em exclusivo e pela primeira vez, a uma beleza portuguesa.
É verdade meus fofos, nem só de forasteiras televisivas e cinematográficas vivem os interesses de uma pessoa. Há muita pele poderosa, muita maquiagem fascinante e muito cabelo esvoaçante que merece, sem dúvida, um post. Porque a elegância e o sentido estético ultrapassam a notabilidade internacional. 
Dulce Daniel, do esplêndido We Love Unicorns, fez um trabalho sublime na captação da luminosidade e do encanto da protagonista de hoje. Preparem-se fofuras, de Portugal para o mundo, Um Blog Muito Pipi apresenta (tchanananã): Marlene Vinha.
Há pouco mais de 2 semanas, a blogger abriu (no Pretty Exquisite espaço que partilha com a irmã) as portas de sua casa (aqui). E eu entrei (e sequestrei duas imagens).
Entre a leveza artística da decoração e a suavidade das cores, a sequência fotográfica envolveu-me num universo encantado, povoado por embalagens deliciosas e pormenores surpreendentes.
Ora pois que a Muito Pipi ficou de tal forma inebriada com a brisa de magia proveniente do blog Vinhal que não só comentou o artigo em questão, como partilhou acidentalmente o dito comentário no facebook (horror dos horrores informáticos!).
O que me elouqueceu momentaneamente? A feminilidade requintada, incomum e absolutamente desarmante. A pureza da pele perfeitamente ornamentada e emoldurada pela cor do cabelo. A "maquiagem de bonita" impecavelmente trabalhada numa tez primorosa, lembrando que a pintura maquiante se transforma em arte na melhor das telas animadas: uma pele reluzente.
Posto isto, e se dúvidas houvesse: alvura não é amargura! Não não meus queridos! Definitivamente não.
Uma pele clara, bem cuidada e com suaves toques de cor localizados pode ser absolutamente deslumbrante. Posto isto: Branquinhas ao poder! 
Marlene Vinha, uma beleza pretty special!

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Cotonetes com molhanga

Meus queridos, a Muito Pipi está por demais entusiasmada. O mundo da beleza é lindo, sempre cheio de novidades escaldantes e de artigos pensados para satisfazer necessidades inesperadas. É a loucura!
Ora, qual é coisa qual é ela, que caiu encantadora e virtualmente na minha vida? Cotonetes meus senhores, são cotonetes! 
Sim, conheço cotonetes há já algum tempo. E gosto! Encanta-me que o Senhor Leo Gerstenzang tenha decidido amarfanhar algodão nas pontas de pauzinhos e os tenha começado a vender como "Baby Gays" (Hum...). Gosto gosto!
Agora, quase 100 anos passados, há de tudo um pouco: coloridos, em material reciclado, muito farfalhudos, super bicudos e até mesmo pequeninos.
A verdadeira novidade, inovação das inovações, foi conseguida com uma inteligente introdução de molhanga nos pauzinhos (Hum...)! Super especial, certo? Em particular se o líquido introduzido for amigo para desmaquilhar uma pessoa. Maravilha das maravilhas super portáteis!
Confesso ainda não ter experimentado nada disto, mas já imagino uma profunda alegria viajante. Numa hora olhos maquiados, na outra cotonetes húmidos repletos do restolho de uma festa de beleza. Ohhhhhh, vida boa! O que pode correr mal? Bem... se o desmaquilhante for horrendo, ardente e irritante, o sonho pode facilmente transformar-se num cegante pesadelo.
Posto isto, a Muito Pipi sugere: porque não criar um "encha você mesmo" cotonetal? Compram-se os ditos cujos e cada um recheia com o material que quiser! Uhhhhhhh.... loucura!
Enquanto as marcas não me ouvem, nada como experimentar o que existe de facto. Para já, fofinhos como bareMinerals e Sephora são boas opções para quem deseja que a inovação lhe entre olhos dentro.
Aguardemos portanto meus queridos, aguardemos. E rezemos! Que o Bioderma Sensibio versão cotonete esteja connosco (ele está com certeza no meio de nós!).

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Com a Kate nos lábios

Dor, horror e luto informático têm assolado um lar Muito Pipi. É verdade, meus queridos, é com muito pesar que informo que o meu computador (paz à sua Mother Board), companheiro de muita blogada e outras coisitas mais, faleceu. Assim é a vida.
Numa tentativa de seguir em frente, vi-me obrigada a adoptar uma nova cria, desta vez um aparelho tão cor de rosa como este blog. "Rosa? Ai,que coisa mais pindérica!" Seja! Viva a piroseira, viva o brilho, vivam as luzes de teclado que transformam computadores em árvores da Natal encantadas.
Têm sido dias de muita alegria e excitação, exceptuando tudo o que se relaciona com a edição de imagens. Nesse campo existe apenas tormento. Tem sido muito duro. Tanto que neste momento tudo o que inclui modificações a imagens é o elefante azul na sala que é a minha relação com este Vaio que é meu. Ainda assim, decidi hoje que, com edição ou sem ela (é sem ela mesmo!), tenho de falar de uma bela descoberta londrina que, pasmem, nada teve a ver com o poder desconcertante de uma embalagem maravilhosa.
Ora, há um bom tempo atrás a Kate Moss aliou-se à Rimmel para criar uma linha de batonzada. Confesso não ser admiradora da modela britânica e assumo também o meu total desconhecimento face aos produtos da marca com a mesma nacionalidade. Chamem-se ranhosa sem limites, mas comprar maquiagem em grandes superfícies não faz muito o meu género. A razão que me leva a preferir produtos de perfumaria relaciona-se com uma poderosa necessidade de experimentar, tocar e cheirar tudo aquilo que desperta o meu desejo (Hum...). Ora, num supermercado está tudo embalado. Tudo escondidinho! Tudo recatado! Comigo não!!!! Preciso de ser aliciada, entusiasmada e seduzida. E como é isso possível quando entre mim e o objecto embelezador existe uma embalagem de plástico inviolável? Sou toda a favor do escancaramento de cosméticos! Dos produtos oferecidos (a.k.a assanhados), que se mostram e se deixam tocar sem pudores.

Ora, desta vez decidi atirar-me com unhas, dentes e lábios (ah, e dinheiro, claro) aos batons mate de la Kate, nos números 107 e 110. Segundo parece estas duas cores não vieram para Portugal. Mas não temam, a Muito Pipi investigou e pode dizer que é possível comprar os ditos cujos on-line (na Asos, por exemplo).
Meus queridos, ainda que a embalagem não seja particularmente interessante, o conteúdo é bem bom! Surpreendentemente bom. Em particular se pensarmos que cada um destes fofinhos custa cerca de 6 euros. 
Em primeiro lugar o cheirinho é gostoso. De um gostoso estranhamente semelhante ao dos Météorites, mas não muito duradouro.
A grande notícia, sendo um batom mate barato é que não há encravamentos nos lábios. Não! O bastão de cor desliza suavemente. Oh oh! E o uso durante o dia não é desconfortável. Nada de securas, de reacções estranhas, de acumulanços inesperadamente deselegantes. Ah, e a cor dura! Claro que não resiste a grandes estrafegos. Beijos sôfregos e refeições apaixonadas têm algum poder apagador. Ainda assim, encontro-me muito impressionada! Muito mesmo.
Lição de hoje: Claramente não se pode julgar um batom pela sua embalagem.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Resposta rápida

No post sobre os salva pés da Compeed, surgiu uma pergunta muito pertinente: Seria o stick protector capaz de acudir uma pessoa cujos pés foram detonados por maravilhosos saltos?
Como prometido, a Muito Pipi experimentou e... não! O bastão compeedeano funciona em muitos casos, mas não neste.
Ainda assim, não temam! Neste mundo, cheio de ofertas criativas, moram umas pequenas fofuras específicas para plantas fulminadas por acrobacias pézais. Qual é coisa qual é ela que acalma as dores da beleza? Umas palmilhas tipo almofadinha gostosa.
Para usar é só enfiar as ditas cujas no sapato, na zona onde a planta do pé vai ficar esborrachada. Mas atenção: pessoal com peito do pé alto pode deparar-se com dificuldades na inserção de tudo o que é suposto (pés e palmilhas, entenda-se) dentro do sapato. É verdade. Ainda que muito úteis, estas amiguinhas tendem a levantar ainda mais o peito. Do pé. Claro!
De resto, há de várias marcas, a vários preços. É só escolher.
Da minha parte, afirmo com convicção o meu amor pelas Party Feet. Oh, embalagem fofa!

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Eight Hour Lipstick

Seguindo na linha "Muito Pipi, a contadora de histórias", venho hoje partilhar mais um maravilhoso episódio da minha vida, intitulado "Como perder um avião".
Pois é meus queridos, quase aconteceu! E pensam vocês: "Mas esta rapariga ainda não sabe que é suposto chegar ao aeroporto com bastante antecedência?" Sei meus fofos, sei! E não só tenho conhecimento dessa necessidade, como cumpri com as minhas obrigações de viajante responsável. "Ah, então o aeroporto devia ser enorme!" Não... Não era... "Confuso?" Nada disso. "Então o que sucedeu?" A resposta é simples, mas inusitada: Não faço ideia!
Lembro-me apenas de num momento estar a passar a zona de segurança e no seguinte, como que por magia negra, ter ouvido o assustador aviso "Last Call".
O que se passou entretanto não sei, não sabe ninguém! E não, esta não é uma alarmante história de rapto de bloggers em aeroportos. Não! É mais a narração de uma entrada inocente por caminhos de perdição, a.k.a lojas de cosméticos Duty Free
Pois que em lojas entrei e passeei, por lá muitos produtos experimentei... só não comprei. Realmente não sei como é possível que quase 2 horas tenham passado tão rapidamente, mas a verdade é que, quando me preparava para adquirir produtada, soou o alarme "Última chamada para o voo X com destino a Y".
Indignada, ainda me questionei: "Última chamada? Então mas e a primeira? Foi abduzida? Levada por elfos criminosos?" Não! Claramente a minha mente é que se havia desligado do mundo real, vítima de um encantador transe consumista. E meus fofos, quando vos digo que era a chamada final, era mesmo. Finalíssima. A derradeira!
Não sei se já tinha comentado aqui, mas eu sou uma pessoa que não corre. Nunca! Ou quase nunca. A verdade é que a possibilidade de perder um avião soltou a atleta, até à altura desconhecida, que há em mim. Não fosse a falta de cabelo e a corredora que figura à vossa esquerda podia bem ser eu. Houve direito a tudo. Descabelamento. Coisas a saltar da mala. Documentos a voar. Mas consegui! Consegui entrar no avião e recostar-me no meu lugar.
Passado o susto, formou-se a tristeza. Não tinha comprada nada! Nem um postal!
Enquanto o avião levantava voo eu imaginava as lojas recheadas. A jorrar produtos a preços amigos. A fazer pirraça com a desgrenhada viajante sem tempo. E foi aí que decidi reclamar o poder! Pequei convictamente na revista da companhia aérea e pedi tudo o que me pareceu bem. Felicidade imediata? Não! Era eu por um lado a querer despedir-me do dinheiro e a hospedeira, por outro, a repetir incessantemente a dolorosa frase "Não temos".
Na minha lista de desejos sobrava apenas um pack maravilha com igualmente maravilhosos produtos Elizabeth Arden. E... sucesso! Havia! E mais: custava perto de 25 euros. 25 euros!!!! Meus queridos, 25 euros pelo famoso Eight Hour Cream, por um creme de mãos e por um batom. Loucura! Alegria! Incredulidade!
Sobre o Eight Hour Cream e o seu poder já falei por aqui, no Invicta Maquiagem. Por isso, o meu amor, atenção e dedicação viram-se hoje para o hidratante labial (fica desde já prometida uma notinha sobre o creme de mãos). Oh embalagem encantadora! Oh FPS 15! Oh hidratação prolongada. Oh iluminação bela dos lábios! Oh oh oh!
E mais "oh" haveria, não fosse o facto da fragrância não ser particularmente apelativa (alerta, suave déjà vu Eight Hour Creamiano). Mas calma, também não é horrenda! Nada que um super batom cheio de oitos cinzentos numa embalagem prateada não ajude a esquecer.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Saudades de Paola?

O frio ainda não se instalou a sério, mas antes que uma pessoa se descasque toda, é sempre bom receber umas ideias amigas.
Querem saber como tratar do corpo? Paola ensina neste vídeo sedução.
 
Da minha parte, confesso uma crescente paixão por Gavazzi, agora que sei que ela vai fundo nos óleos. A Muito Pipi adora uma boa oleadela (incrédulos vejam aqui aqui, ali, acolá e mais aqui. Ah e além também!).
Posto isto: Viva as oleosas! Escorregadias mas protegidas!

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Compeedando - Versão homem e mulher

Meninos do mundo ofendidos por sapatos do mal, biqueiras apertadas e costuras pontiagudas (parece que alguns de vós usam instrumentos de tortura nos pés!), a Muito Pipi chegou para vos salvar!
Deixem que vos conte uma história. Era Verão em Portugal, mas claramente outra estação qualquer no Reino Unido. Eu, pobre louca sem noção, saí para caçar maquiagem (e o que mais houvesse pelo caminho) calçando uns fresquíssimos (e muito femininos) sapatinhos. A bordo deles percorri ruas, ruas muito grandes, ruas estilo avenida, Hyde Parks (bem sei que é apenas um, mas uma vez lá dentro confesso que há espaço para dúvidas) e, claro, lojas. Tudo enquanto o sol se escondia, a chuva soltava a franga e o vento dominava o espaço. No meio da tempestade os meus pés iniciaram a revolta. Profundamente perturbados, choravam de dor e ameaçavam soltar a birra bolhenta. Sensível que sou às necessidades alheias, corri para uma loja e muni-me de calmantes: um stick e uma embalagem de pensos para bolhas, by Compeed. 
Meus queridos, meus fofos, minhas vítimas do calçado feroz, vós que ledes este blog e que amais os vossos pés: entreguem-se ao stick! Acreditem... é do melhor!
Para usar basta passar levemente nos locais ofendidos ou, como prevenção, onde se imagina que possa eventualmente vir a doer. Desconfiam do potencial irritante de um sapato novo? Stickada! Um produto calçante vosso conhecido costuma magoar o calcanhar? É dar uma untadela com o bastão da Compeed! O chinelo de Verão causa desconforto no peito do pé? É isso! Stick para cima!
No caso de bolha instalada, voto sem dúvida no uso dos pensos. Acalmam o dói dói, protegem a pele da fricção e ajudam na cicatrização, tudo isto discretamente (Alerta meninas, foquem-se na caixinha da direita! Como resistir?
Calma meninos: esta embalagem é dedicada aos utilizadores de saltos altos. Há opções compeedeanas mais másculas!).
Agora, notinha importante: nada de chegar a casa e arrancar o penso. Fala a voz da experiência! A ideia é deixar estar estes amiguinhos até que eles decidam, livre e espontaneamente, descolar-se e separar-se de vós para todo o sempre. No entretanto, vale tomar banho (por favor!), calçar outros sapatos, passar creme nos pés, usar meias... tudo o que vos apetecer. Mas nunca, jamais, em tempo algum, obriguem o penso a descolar-se. Porquê? É provável que, agarrado a ele, venha um pouco de vós. Literalmente!
Entretanto, como cereja no topo deste bolo de assistência pézal, posso informar que descobri que o belo do stick maravilha pode, para além dos pés, ser usado nas mãos ou em qualquer outra zona que esteja a ser vitimizada por fricções descontroladas. Ouro sobre azul! Oh! Oh!
Follow my blog with Bloglovin

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Tradução de Blush

Blush! O maravilhoso coloridor de bochechas, favorito das branquinhas do mundo e da fantasminha Muito Pipi.
Há para todos os gostos, de todas as cores e numa bela variedade de texturas. Ainda assim, a aplicação da corzinha bochechal pode ser um autêntico desafio tresloucante.
Depois de anos de experiências maquiantes (e de muitos horrores) acho que encontrei o meu caminho. Bem, são mais caminhos. Como já partilhei antes, não sou fã de regras rígidas no mundo do embelezamento. Cada dia é um dia e experimentar coisas novas pode ser muito interessante. De resto, o que funciona para uma pessoa pode ser motivo de terror para outra. "Se o rosto é oval o blush tem de ser aplicado da forma X, se é quadrado nada funciona melhor do que Y" são frases que não combinam muito com a Muito Pipi. Ainda assim, é sempre bom ter umas dicas inspiradoras na manga, não vá o capeta brindar uma pessoa com experiências infernais.
Pensado nisso, rapinei hoje um vídeo de um maquiador muito bem disposto e super adepto do "faz aquilo que te fizer feliz" mas que, ainda assim, sabe das coisas.
O vídeo é em inglês e, como tal, a Muito Pipi vai ser a vossa intérprete (vocês sabem como eu gosto de uma tradução louca!).
Para já fiquem com Goss:

 
(Alerta tradução nada literal)
"Nada de aplicar blush nas mãças do rosto!!!!!
Perguntam vocês: "Como aplicar blush?" Ora, andam por aí a dizer para o atirar para as maçãs do rosto. Não não! Não se metam nisso. Bem, se gostam de o aplicar aí e se são felizes assim, tudo bem! Não se preocupem! Supostamente uma pessoa sorri, a maçã brota e é só jogar-lhe para cima o blush. Sim? Não! Se for super jovem, tudo bem. Mas para os restantes, a verdade é que, parando de sorrir, o blush acaba por descer e ficar mais perto da boca do que da bochecha. Ninguém o quer aí!
Não vamos para novos meus queridos! Está tudo a descair-se. Uma pessoa não quer a cara ao pendurão! A ideia da maquiagem é passar a ilusão de que estamos com tudo em cima e não de que o bochechame está a derreter cara fora.
Para onde deve ir então o blush? Para o osso da bochecha fofuras. Para o descobrir basta colocar o dedão no ossinho acima das orelhas e estender o indicador diagonalmente rumo ao nariz. Nessa linha, abaixo do olho, vamos encontrar o osso da bochecha. Na minha opinião o blush deve ir para aí.
Para além deste horror, sorrir (ao aplicar blush) é mau por outra razão: criam-se ruguinhas e isso pode dificultar uma aplicação uniforme do material colorido. Nada de sorrisos portanto!
De resto, é importante esbater a cor no sentido ascendente mais perto do olho do que da boca.  E depois? Depois é só escolher a cor. Nada de beliscamento de bochechas! O que importa é usar uma cor da qual gostem e que vos faça felizes."
E é isto meus queridos. Mas só entre nós, tenho de confessar: nunca pensei que Goss falasse assim!

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Deslumbramento Chanelar



Bem sei que este vídeo vem com 2 anos de atraso. É verdade, não há como negar. A Muito Pipi leva o seu tempo a descobrir as novidades. 
Não sei bem porquê, mas confesso que a maquiagem Chanel nunca tinha conquistado a minha atenção. Nunca, até ter sido brindada com as imagens de divulgação da mais recente colecção da marca. Corais, verdes e cinzas tocaram fundo no meu coração maquiado e empurraram-me para a perfumaria mais próxima.
Enquanto tocava na produtada da marca francesa, os meus olhos descairam-se para as Illusion D'Ombre e, consequentemente, uma delas descaiu-se para a minha mala (por 25 euros. Não foi larapiada!). Agora, depois de muito uso e abuso, tenho a certeza: é amor!
Meus queridos, haja espaço para uma sombra inovadora na vida de uma pessoa. Surpreendente, inesperada, deliciosa. Com uma textura tão especial que mais parece um gel encantado. Sim sim! Longe de mim exagerar. Jamais! Aliás, vale muito a pena rumar à perfumaria mais próxima para espetar o dedo num destes potinhos de vidro. É mágico! Mais: a surpresa não termina aqui. Ah não. Não não.
O auge da alegria maquiante é atingido na aplicação. Quando em contacto com a pele, a Illusion D' Ombre transforma-se como que num creme hidratante. Oh!!!!!! Maravilha da suavidade. Nada de coisas a raspar, nada de desconforto.
E depois meus queridos, não sai do lugar, não acumula... não faz nada de mal. Existe apenas. Linda, brilhante, delicada. Absolutamente deslumbrante.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Rouge Dior

Fã de batons em geral e dos da Dior em particular, não haveria como não partilhar esta rápida e sedutora viagem pela história.
   
Simplesmente inspirador.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Hidratação dos pés com virilidade

Há uns 3 mesinhos atrás a Muito Pipi partilhou, com todo o amor e carinho, o seu super favorito no mundo do cuidado pézal. De lá para cá mantém-se o amor. Mas como o coração cosmético de uma pessoa é grande, não há razão para não sair para conhecer novos produtos e, quem sabe, iniciar um relacionamento mais íntimo com alguns. Traição chamarão vocês, poliamor afirmarei eu!
Em nome do bem estar masculino (sim meus fofos, tudo por vocês) decidi percorrer o mundo da beleza em busca de um creme para os pés cuja embalagem não envergonhasse os homens mais sensíveis à presença de uma caixinha de "cor feminina" sua colecção.
Ora, se a Muito Pipi procura, a Muito Pipi acha. Posto isto, devo informar que o escolhido, testado e muito apreciado, dá pelo nome de Bálsamo Lao Tze e é um dos filhotes da Rituals (a marca do meu queridinho Hammam Hot Scrub). 
Como podem ver pela imagem, não há nada a temer! A embalagem é discreta, verdinha com letras pretas e vermelhas (ah cores de macho!). Dentro dela habita um leve creme branco de odor mentolado (menta é de homem!).
Para os meninos que têm pesadelos com cremes gordurosos ou de difícil absorção: sem medo! O Bálsamo da Rituals é sugado rapidamente pelo corpo e não deixa nada oleoso. Ainda assim, suaviza bem os pés. Para além disso, como qualquer produto com menta, há sempre o bónus refrescante a espreitar. Tudo isto (e mais alguma coisa que me pode eventualmente ter escapado) por 10 euros cada 75ml.
Da minha parte fica o conselho: homens do mundo, força no Lao Tze, é másculo, bem cheiroso e acalma a loucura do pé!

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

O que é que a Tangle Teezer tem?

Se há coisa melhor do que trazer de viagem uma mala carregada de comprinhas potentes, é chegar a casa e ter presentes super gostosos à nossa espera.
Como fofinhos que são, os meus tios (e primo) compraram para a cabeluda em mim nada mais nada menos do que uma das mais famosas escovas capilares do momento: Tangle Teezer.
E não foi uma qualquer, não. A minha nova arma penteadora é o modelo mais arrebatador que a Muito Pipi algum vez viu. Verdade seja dita que a versão compacta da escovinha criada por Shaun Pulfrey já andava há muito a povoar os meus sonhos consumistas. Ainda assim, por alguma razão inexplicável, nunca tinha seguido o caminho de casa comigo. Vocês compreenderão portanto que vê-la toda às manchinhas, na sua caixinha transparente, tenha sido um momento de pura alegria. Oh, emoção das emoções! Loucura das loucuras! Amor dos amores adiados.
Mas afinal, o é que a amiguinha inglesa tem? Convenhamos que não tem torso de seda, brinco de ouro, nem sandália enfeitada (Isso é a baiana!). Ainda assim meus queridos, a escovinha tem com certeza graça como ninguém! Ela desembaraça potentemente, massaja (conduzida por uma mão firme) o couro cabeludo e abrilhanta. Tudo o que uma pessoa quer para ser capilarmente feliz.
Com alguma vergonha confesso: mesmo que não fizesse nada disso, só pelo aspecto charmosamente redondinho já teria ganho todo o meu carinho. Ela e o seu look de leopardo penteador. E a sua tampinha protectora fofa. E o seu design ergonómico. E o seu brilho. É caso para questionar: O que é que a inglesa não tem?

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Hidratante na carinha húmida

Hoje, no modo partilha rápida, vem uma dica do mundo da dermatologia.
Ao contrário do que a foto possa indicar, a Muito Pipi não vai falar de suor em rostos maquiados, nem tão pouco dos malefícios do sol (isso já anda por aqui). Nada disso.
Pegando nas palavras de alguns dermatologistas que já passaram pela minha vida, é no joganço do hidratante na pele húmida que está o ganho. Em caso de dúvida, aproveito para confessar que não foram estas as palavras usadas. Mas vá, a ideia está cá toda!
Pois é fofuras, dizem os profissionais da pele que, aplicando a cremalhada no rosto molhadinho, a hidratação fica aprisionada. E quem não quer uma boa aprisionadela?
Claro que não estou a falar de pele saída do banho, a escorrer por todo o lado e a pingar casa fora. Não! A ideia é potenciar a hidratação meus queridos, não é fazer diluição de produtos em água.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Camuflando com a Laura

Quando em contacto com uma embalagem fascinantemente bela, a pessoa Muito Pipi que vive dentro de mim transforma-se numa pobre insana e, como que possuída pelo espírito de uma qualquer louca, lá vou eu. Dinheiro para fora, produto para dentro e tudo volta ao normal.
O horror, o verdadeiro horror, sucede quando me aproximo entusiasmada de um produto com muito potencial, mas cujo pacote não seduz.
Com esta introdução anuncio, pesarosamente, que na minha bagagem londrina não veio qualquer produto maquiante da maravilhosa Charlotte Tilbury. Oh meus queridos!
Num momento estava a correr entusiasmada (a correr mentalmente, entenda-se) pela Oxford Street rumo à Selfridges e, minutos depois, olhava incrédula para a bancada fofa da maquiadora inglesa. Não me entendam mal, não tenho nada de errado a dizer sobre os produtos que por lá andavam. Simplesmente o click do amor não surgiu. E eu bem tentei. Mexi em tudo, olhei, dei voltas, mas nada! Nada meus queridos! A emoção maquiante não apareceu.
Triste e surpreendida que fiquei, vi-me obrigada a afogar as mágoas noutras marcas. E, entre vários amiguinhos com muito potencial, acabei por investir num produto que, ainda que não tendo uma embalagem particularmente apelativa (Vá-se lá perceber...), é super famoso no mundo da maquiagem correctiva.
Meus queridos, não há como negar: o Secret Camouflage da Laura Mercier é poderoso. Apaga de um tudo! 
Para além disso, é sempre bom ter por perto um misto de emoções coloridas para manter uma pessoa em bom estado o ano inteiro. 
Bem sei que, por ser um corrector mais para o seco, algumas pessoas têm problemas em aplicar o dito cujo. Mas não temam mais! O senhor da Laura Mercier, em Londres, disse que era óptimo passar o dedinho na cor (ou nas cores) e aplicar primeiro na mão para dar uma aquecidela. Depois, já bem quentinho (hum...) é que a pessoa vai a fundo na aplicação. É assim que a coisa se dá aqui, neste misto rosto Muito Pipi. E funciona! Muito!

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

E depois das estrelas, os Météorites

Seguindo na temática astronómica, e depois do doloroso relato acerca das estrelas da Dior, nada melhor do que partilhar convosco o meu mais recente produto queridinho: Météorites (Guerlain).
Oh embalagem maravilhosa. Oh cheiro delicioso. Oh bolinhas fofinhas. Oh! Oh! Oh! Emoção das emoções. Fofura das fofuras. 
Este pó finalizador constitui o auge da graciosidade. Mesmo. Desde a cor das esferas ao seu perfume, tudo grita requinte (Bem, gritar requinte não é muito requintado. Claramente os Météorites não gritam. Quem grita sou eu). O resultado é uma pele delicadamente iluminada, com um sedutor toque perfumado.
No final dos anos 80, quando estas bolinhas começaram a rebolar pelo mundo, os Météorites foram um produto por demais inovador. Um pó diferente, mais leve e revolucionariamente embelezador. Uma novidade refrescante.
Hoje, quando a leveza e a iluminação sob a forma de pó já não são surpreendentes, as pérolas da Guerlain continuam a destacar-se. Com certeza pela qualidade maquiante que oferecem mas, para mim, sobretudo pela experiência apaixonante que proporcionam. Numa lembrança de que a maquiagem deve ser eficaz mas também mágica. 
   
Emoção à parte, um facto: Cada caixinha de Météorites custa cerca de 45 euros. O que dizer, meus queridos? Justifica-se? Sim. Por uma constelação de magia sim.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Mystic Metallics Estrelando

Pela Dior amor eterno.
Pasmem meus queridos, o amor também é feito de surpresas. A Muito Pipi menina em mim foi claramente surpreendida pelas sugestões da Dior para os dia frios. As cores são lindas, metalizadas (como se a denominação Mystic Metallics não o anunciasse já) e super apetitosas. "Então qual é a novidade?" - perguntam vocês.
A novidade é dura meus queridos. E bicuda!
Acostumada que estou às sombras cheias de relevo e de linhas sedutoramente marcadas, não havia como não sentir um baque ao ver os quintetos Outono/Inverno violentamente invadidos por estrelas. Pois, meus fofos, é isso que têm: estrelas. E eu, consequentemente, tenho medo.
Assumo que possa ser um problema só meu, mas estrelas? Sou toda a favor da novidade. Mas da novidade luxuosa e elegante. Estrelas? Não... é muito duro. Felizmente esta é uma edição limitada. E felizmente também, o relevo é coisa que dá para destruir ao longo das utilizações. Para vocês, sombras estreladas, não haverá dó nem piedade. Vai ser um esfreganço sem fim, um pisoteamento de estrelinhas como não há memória! Uma pessoa faz cada coisa por amor!

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Eyeliner, o temido?

Foi há pouco tempo que a Muito Pipi se rendeu a um delineamento palpebral básico. Não me entendam mal fofuras, sempre vi no eyeliner um poderoso aliado. Ainda assim, creio que as histórias de delineamentos de horror que correm o mundo foram mais do que o suficiente para me afastar dessa realidade.
Anos passados e delineamentos executados, devo acalmar-vos: Não há coisas horrendas na maquiagem. Não! Maquiagem é tudo de bom. É alegria. É diversão. É experimentação.
O delineador é amigo! E para aprender a brincar com ele não há nada como tirar um tempinho para experimentar diferentes coisas. Entre traços finos, grossos, pontiagudos, delicados, em toda a pálpebra ou só numa parte, vale tudo meus queridos (fica desde já prometido um post mais completo sobre o assunto).
Sendo o vosso desejo delinear na rapidez, então meus fofos, o vídeo de hoje é a chave para o sucesso. Mesmo com uma mão pouco treinada.
Da minha parte confesso, algum medo em colar coisas pelos olhos. Quer dizer, pestanas falsas acho bem. Seja como for, com maior ou menor receio, a ideia do vídeo que se segue vale muito a pena, especialmente quando não há tempo para erros.
 
How to Be a Girl: Cat Eyes By Magic! from The Hairpin on Vimeo

Nota: A Muito Pipi pessoa em mim sabe que está em falta. Trouxe comigo de Londres coisinhas super fofas que merecem ser partilhadas com o mundo. Não temam, nada vos será omitido. O momento chegará.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

A pele das peles

E o troféu "Pele das Peles" vai para (tchanananããã): Ginnifer Goodwin, em "Uma Cútis Fascinante".
Passado o momento prémio fajuto, a Muito Pipi vem declarar o seu amor pela pele que se apresenta na imagem abaixo. E claro, com certeza há maquiagem impecavelmente envolvida no processo de criação desta tez. Tudo bem! Ainda assim é notório que, por baixo dos produtos maquiantes, vive uma pele absolutamente deliciosa. Fantasticamente luminosa. Excepcionalmente saudável.

 
Ginnifer e sua pele: apaixonantes!

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Salvando olhos maquiados de rimmel deslocado

Momento máximo de horror: pálpebra manchada por rimmel fugitivo. Pesadelo infernal!
Calma, muita calma. Como sempre, a Muito Pipi voa (qual bruxa da beleza), de onde quer que esteja, para vos socorrer. Hoje estava a passear virtualmente pelo blog da inspiradora Paola Gavazzi e foi de lá que vim, não sem antes rapinar uma ideia e uma fotografia. Esperavam o quê, que saísse de mãos a abanar?
Ora, borranço no maquianço? 
Nada a temer meus queridos. Depois de uma sujadela acidental parece que é bom ter paciência e (surpresa das surpresas) deixar secar a mancha maligna. Oh yes!
Se a pessoa vai com tudo  para cima de um borrão recém formado há todo um potencial para um rasto negro de destruição (Uh, drama!).
Logo que o bandido do rimmel seque, entra em cena a sempre amiga escova de sobrancelhas (sem medo: também dá com outras coisas de pêlos rijos. Uh!). Depois é só ir raspando, leve levemente, para arrancar a tinta, sem destruir a maquiagem. Ou a pele. Leveza fofuras, arranhões e sangramento não fazem parte do programa. E é isto!
Borrou? Sujou? Danificou? Escovou!

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Trinity - o Nó do Charme

Queridos homens (e algumas mulheres mais arrojadas), o post de hoje é dedicado ao estilo. Tudo porque um homem pode querer dar um abanão na sua vida gravatal. E se o homem deseja, a Muito Pipi vem com toda a informação necessária.
Bem, na verdade foi a Joana do Mieszkam W Krakowie que me falou da existência de um nó de gravata maravilha, de tal forma poderoso que é material para elouquecer o mulherio (por mulherio entenda-se a Muito Pipi pessoa em mim e a Joana). E quem é ele, quem é? É nada mais nada menos do que o Trinity (alerta vampiragem), este super fofo que descansa ao vosso lado direito.
Chamem-me exagerada, mas sou rapariga para acreditar que isto é coisa para mudar as vossas vidas (não?). E melhor: este é apenas um dos super diferentes nós gravatais já inventados. Meus fofos, abriu-se aqui a caixa mágica do mundo do estilaço sem fim!
Confesso que não sou exactamente a melhor pessoa para vos guiar neste caminho da inovação. Mas conheço quem seja. O Alex, do Agree or Die, sabe muito das coisas e veio de propósito a este blog (A Muito Pipi é influente!) para vos mostrar tudo. Oh yes!
Aqui vão os ensinamentos:


terça-feira, 17 de setembro de 2013

FlyAway Tamer ou o disciplinador abrilhantador

Meus queridos, bem sei que me ausentei sem aviso. Mas foi por uma boa causa: beleza, pois claro (e mais uma ou outro coisita)!
Na verdade as ruas de Londres chamaram por mim e eu, como pessoa bem educada que sou, seria incapaz de fazer uma desfeita à capital inglesa.
Como não poderia deixar de ser, a Muito Pipi trouxe todo um carregamento de cosméticos. Entre produtos novos que me seduziram e velhos amigos que ainda não tiveram o prazer de se mudar para Portugal, veio de um tudo na minha pequena mala de mão.
Um dos eleitos para voar comigo foi super querido e amado, Touch Up FlyAway Tamer, do Mr. John Frieda. Meus queridos, se vocês têm cabelos loucos, voadores, rebeldes e que adoram levantar-se do vosso couro cabeludo sem autorização prévia, então desconfio que este vermelhinho vos vai fazer muito felizes.
Parece uma máscara de pestanas, mas não se deixem enganar. Este amigo é uma escovinha capilar. Como aplicar? Basta fazer um esfrega esfrega dentro da embalagem e dar uma penteadela disciplinadora nos malvados tresloucados.
Aviso desde já que ao aplicar pode parecer que o cabelo vai ficar meio lambido. Mas calma! Quando seca fica tudo bem! E mais: surge até um brilhinho extra.
Tanto quanto a Muito Pipi sabe as maravilhas Friedianas não são vendidas em Portugal. Ainda assim, é possível encomendar online por cerca de 12 euros. E meus queridos, vale todo o dinheiro. 
Armadilhazinha de Satanás mais gostosa!

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Fora fora trubufu vermelho!

Quando o super querido Kim, do Rente ao Plasma, solicitou uma introdução ao tema "Vermelhidões faciais do inferno" a Muito Pipi pessoa em mim sentiu alegria! Se há coisa que eu conheço intimamente é essa. Vermelhidão é comigo. Sim meus queridos, assumo: sou uma ofendida pelo vermelho facial. Não é um vermelho louco tipo semáforo, mas é um tom que já se enquandra no mundo das características pouco simpáticas.
Assim, tenho todo um conjunto de ideias que podem ajudar os meninos (e algumas meninas) a educar rostos rebeldes. Entretanto, nunca é demais lembrar que, por melhores que sejam as dicas, é sempre bom visitar um dermatologista. Fofos, não há como negar, eles sabem muito de tudo o que tem a ver com a pele. E mais, há uma coisa que eles têm que nós não temos (ou pelo menos não devíamos ter): laser. É duro, mas em comparação com isto creio tudo o resto funciona mais numa lógica de gestão do problema do que de resolução.
Ainda assim não chorem! O que vem por aí é material do bom! 
E as super dicas da vermelha Muito Pipi são:
1. Protector solar, sempre! - Pois é. O sol, para além de tudo o resto, contribui para uma exacerbação da vermelhidão. Mas cuidado, atenção à composição dos produtos que usam para se proteger, já que uma pele avermelhada pode ser muito mais sensível a algumas quimicalhas. Neste sentido, poderá ser interessante optar por produtos com Óxido de Zinco ou Dióxido de Titânio, como é o caso do meu super queridinho Fluido Extremo (o nome... eu sei...).
2. Deitar fora tudo o que é agressivo - Não falo dos vossos familiares e amigos. Não. Refiro-me aos produtos que usam para higienizar o rosto. Meus queridos, um vermelho da vida lavar a cara com gel de banho tem muito potencial para o horror. Assim, talvez seja mais seguro procurar marcas que ofereçam uma limpeza suave e, de preferência, específica para o rosto.
3. Cremalhar! - Pois é, depois de lavar, é muito importante hidratar, especialmente quando falamos de peles que se revoltam com facilidade. Há até linhas de cuidado facial dedicadas exclusivamente ao pessoal que sofre com o vermelho indesejado. Neste contexto, aconselho sem medos o Roséliane (Uriage), o Antirougeurs (Avéne) e o Rosaliac UV (La Roche Posay). Nota importante: este último oferece também protecção solar.
Entretanto, e antes que corram para a farmácia para devolver o produto, devo informar-vos que é natural que muito dos hidratantes para pele com vermelhidão sejam verdes. Isso mesmo. Não, a ideia não é que se transformem num qualquer Stanley Ipkiss em fusão com a máscara louca. Não temam. A verdade é que o verde ajuda a neutralizar a cor vermelha. Assim, se o creme for esverdeado já disfarça a coisa.
4. Verdume sim! - Ora bem, como dizer isto... Já aconselhei cremes de cor verde. Vamos subir para um outro nível? 
Não é que um creme amigo não ajude, mas há dias na vida de uma pessoa em que pode fazer sentido um total aniquilamento de tudo o que é vermelho (Benfiquistas foquem-se. Estamos a falar de pele). Nessas alturas, um corrector verde, em stick ou em creme, pode ser uma excelente opção (a Avéne tem um belo dum verdinho).
Entretanto, e para não ser visto por aí com manchas verdes (jamais!), há que aplicar algo que uniformize a cor da pele. Não precisa de ser maquiagem, calma. Não! Pode simplesmente ser um hidratante com cor.
5. Água água água! Termal - Cá está ela de novo! Em momentos de grande horror, em que parece que o rosto vai rebentar num mar de vermelhidão, água termal para cima. Acalma muito!
6. Não entrar no esfreganço com a toalha - Toalha não é exfoliante fofuras. Basta pressionar ligeiramente até secar. Se a vossa pele é sensível, o contacto violento com um tecido pode aborrecê-la ainda mais. E ninguém quer acordar o monstro adormecido que vive dentro da malvada, pois não?
7. Comer, beber e avermelhar? - Pois que sim, há alimentos e bebidas que potenciam a aparência vermelha. Neste caso caberá a cada um perceber o que mais mexe com a sua pele, mas comigo há uma coisa que abala seriamente a cor do rosto: álcool. É triste, é duro, é injusto, mas é o destino. Não fosse a minha dedicação à beleza e creio que seria uma perfeita mulher da tasca. De bochechas e nariz vermelho. À espera da próxima dose de vermelhidão.
E com esta abaladora conclusão vos deixo por hoje. Isto perturba a pele de uma pessoa.

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Hask Argan Oil já anda por Portugal

Sim, este é mais um post oleoso. Fujam enquanto podem ou, maravilha das maravilhas, untem-se por aqui com a Muito Pipi.
Acho que já tinha partilhado a minha adoração por embalagens pequeninas. São tão mais fofas e cheias de potencial. Pois sim sim... Podem ser enfiadas em qualquer espacinho minúsculo (falamos de malas e locais semelhantes, meus queridos) e tornam a experimentação de produtos desconhecidos numa aventura pouco dispendiosa.
Bem sei que ecologicamente as embalagens pequenas não são nada interessantes. Compreendo também que, no fundo no fundo, acabam por ter um custo superior ao das grandonas. Ainda assim, revelo-me um total e completa fã!
50 euros por um produto desconhecido é notícia para arrepiar uma pessoa. Mas se me aliciarem com uma miniatura a 5 euros, aí sou rapariga para a atirar para dentro da mala sem medo.
Depois de já ter ouvido falar das maravilhas do Óleo de Argão da Hask, eis que me deparei com ele na Primark, pequenino, fofinho e castanhinho. Trouxe-o comigo para casa e a verdade é que foi uma bela surpresa. Meus queridos, a coisa é boa, bem boa. Especialmente se pensarmos que pagamos 2.50euros por embalagem. São apenas 18ml, bem sei, mas uma pessoa não vai tomar banho em óleo. Umas gotinhas amigas e há toda uma explosão de suavidade de mãos dadas com um aumento de brilho.
O cheiro é algo como chocolate e laranja. Mas não temam, pessoas sensíveis a fragrâncias super fortes, esta não é dessas. A suavidade permanece, mas o cheiro nem por isso.
A má notícia é que a versão mini é a única disponível. Má notícia para alguns. Que a Muito Pipi adora esta coisinha pequenina e fofinha.

terça-feira, 3 de setembro de 2013

E agora que o sol ainda bate forte... Água termal, mais uma vez!

Depois de tudo o que já foi dito neste blog sobre água termal (aqui e em mais 5 ou 6 posts), ainda há mais alguma coisa que mereça ser partilhada?
Sim, claro que sim! Paola Gavazzi tem muito a dizer. E, mesmo depois de toda uma muito pipi descrição dos usos (e abusos) do produto maravilha, eis que novos dados surgem nesta área:
 
A Muito Pipi já desconfiava, mas agora há uma inabalável certeza: água termal protege mesmo, do calor e dos pilantras. Ah, e vai para dentro da boca também, assim haja sede que o justifique.